terça-feira, 19 de abril de 2011

A Allen Ginsberg - Nova Iorque




Milão, 18 de outubro de 1967.

Caro e angélico Ginsberg, ontem de noite te escutei dizer tudo o que te vinhas à mente sobre Nova Iorque, e São Francisco com as suas flores. Eu te disse algo da Itália (flores apenas nos floristas). Tua burguesia é uma burguesia de LOUCOS, minha burguesia é de IDIOTAS. Tu lutas contra a LOUCURA com a LOUCURA (dando flores aos policiais): mas como lutar contra a IDIOTICE? Etc. etc. essas foram nossas palavras. Muito, muito mais belas as tuas, e também te disse o porquê. Porque tu lutas contra os pais burgueses assassinos, e o faz permanecendo dentro do próprio mundo deles... classista (sim, na Itália nos exprimimos assim), e, portanto, és constrangido a inventar de novo e completamente - dia após dia, palavra por palavra - a tua linguagem revolucionária. Todos os homens da tua América são constrangidos, para exprimir-se, a ser inventores de palavras! Nós aqui, ao contrário (mesmo aqueles que têm hoje dezesseis anos), temos já nossa linguagem revolucionária bela e acabada, e, dentro dela, sua moral. Também os Chineses falam como estatais. E também eu - como vês. Não consigo MISTURAR A PROSA COM A POESIA (como fazes tu!) - e não consigo esquecer-me JAMAIS e, naturalmente, nem mesmo neste momento, que tenho deveres linguísticos.
Quem forneceu para nós - idosos e jovens - a linguagem oficial do protesto? O marxismo, cuja única veia poética é a lembrança da Resistência, que se renova no pensamento do Vietnã e da Bolívia. E por que me lamento dessa linguagem oficial do protesto que a classe operária através de seus ideólogos (burgueses) me fornece? Porque é uma linguagem que jamais prescinde da ideia do poder e é, por isso, sempre prática e racional. Mas a Prática e a Razão não são as mesmas divindades que tornaram LOUCOS e IDIOTAS nossos pais burgueses? Pobre Wagner e pobre Nietzsche! Tomaram a culpa toda para si. E nem mesmo falemos de Pound! Ele foi, para mim, um culpado... uma função... a função dada a eles pela sociedade de pais-loucos e idiotas, cultivadores da prática e da razão - para manter o poder, para destruir a si próprios? Nada dá um sentido, um sentimento, de culpa mais profundo e incurável do que a manutenção do poder. É inacreditável então se aqueles que mantêm o poder queiram morrer? E, portanto, todos - do divino Rimbaud até o comovente Kavafy, do sublime Machado até o suave Apollinaire -, todos poetas que lutaram contra o mundo do pragmatismo e da razão, nada mais fizeram do que preparar o solo, como profetas para o deus Guerra a quem a sociedade invoca: um Deus exterminador. Hitler um erce de um filme de comédia... Quando na América - onde seus poetas estão invocando um segundo Hitler que pode terminar o que não aconteceu na primeira vez: o suicídio do mundo - se não-violência é uma arma para a conquista do poder, será muito pior a segunda vez. Mas, ao mesmo tempo, renunciar - no mesmo estupendo misticismo da Democracia da Nova Esquerda (New Left), renunciar, além da Sagrada Violência, também a ideia da conquista do poder da parte do justo - significa deixar o poder nas mãos dos fascistas que sempre e por toda parte o mantêm. Se essas são questões, eu não saberia como responder. E tu? Eu beijo carinhosamente tua espessa barba, teu

Pier Paolo Pasolini.

Pier Paolo Pasolini. Lettere 1955-1975. A cura di Nico Naldini. Torino: Einaudi, 1988. pp. 631-633. Tradução para o português: Vinícius Nicastro Honesko
"Texto fornecido por Lawrence Ferlinghetti a Laura Betti a partir de um transcrição da carta de Pasolini, reparada para da tradução em inglês. Entre as linhas do texto italiano datilografado aparece uma tradução inglesa feita a mão. Consta de três folhas das quais a terceira está incompreensível para a leitura por causa da deterioração da datilografia.
Essa carta, traduzida pelo próprio Ginsberg e por Annette Galvano, foi publicada na revista "Lumen/Avenue A" de Nova Iorque (vol. I, n. I, 1979)."
Na edição do volume Lettere, de Nico Naldini, aparecem tanto a carta incompleta em italiano quanto a tradução da carta em inteiro teor para o inglês de Ginsberg e Galvano. Para a tradução ao português da carta em inteiro teor utilizei tanto a versão italiana quanto a em língua inglesa.
Deixo aqui também o link para uma interessante entrevista concedida por Ginsberg a Jeremy Isaacs em 1995, dois anos antes da morte do poeta:

Nenhum comentário: